29 de out de 2014

Sebo no Chão bate recorde de público com programação "Caia na Rede" da 9ª. Aldeia Sesc Guajajara de Artes

TEXTO: STEPHANY PINHO
FOTOS: DANIEL SENA




Na noite do último domingo (26), a programação “Caia na Rede” da 9ª edição da Aldeia Sesc Guajajara de Artes aconteceu na Praça Nossa Senhora de Nazaré. Lá, há mais de um ano, acontece a ocupação do Movimento Sebo no Chão, todos os domingos, após o pôr-do-sol. A inciativa independente tem como objetivo ocupar com arte e cultura o espaço público, fornecendo uma alternativa de lazer descentralizada aos que moram distante dos centros culturais como o bairro da Praia Grande, no Centro Histórico.

Além do Brechó Patas em Ação e da venda de livros de Diego Pires, que dá nome ao movimento, a praça também serviu aos que queriam colocar à venda produtos personalizados, como camisetas, bolsas, além da comidinha vegan de Cybele Oliveira. Paralelo a isso, a fotógrafa Samara Silvestre, participante ativa da ocupação, pode expor sua série intitulada Da mundialização-bairro ao bairro mundo, formada por fotografias realizadas no bairro do Cohatrac. Quem também estava lá era o escritor e editor Bruno Azevêdo, vendendo lançamentos de sua editora, a Pitomba! livros e discos. Dia 4 de novembro, na Feira do Livro de São Luís, ele lança Em ritmo de seresta, fruto de sua dissertação de mestrado, com ensaio fotográfico de Márcio Vasconcelos.

A primeira apresentação ficou por conta do artista Gilson César apresentou o espetáculo Um dia de clown. O músico, cantor e compositor, Tammys Loyola fez uma bela apresentação onde pode-se constatar que o artista já possui um público cativo que conhece seu trabalho, em grande parte autoral, com letras e arranjos elaborados em conjunto com diversos amigos e parceiros. Tammys iniciou sua apresentação com a música Caí da Canoa, arrancando muitos aplausos do público presente, que cantou junto quando o músico tocou Sem Pé nem Cabeça. Essas e outras canções como Mão Pequena estarão presentes no primeiro CD do artista, intitulado 24 Dias Por Hora, prestes a ser lançado.

Tammys comenta sua experiência no Sebo no Chão: “Eu comecei tocando de forma bem precária aqui no Movimento Sebo no Chão, porque eu toco desde o primeiro evento. Então, desde quando não tinha nenhum recurso, a gente já tentava fazer uma coisa legal aqui, até nos primeiros protótipos de Sebo, que era o Sebo na Garagem, organizado pela antiga galera do blog Ponto Continuando, a gente tentava fazer algo parecido com isso, uma espécie de embrião do que hoje está se tornando o Sebo no Chão. E ocupar um espaço como a praça pra reunir as pessoas num dia de domingo, que é um dia que normalmente é um pouco tedioso e mostrar um pouco de cultura, um pouco de música, vender ou comprar um livro legal, comer uma comida gostosa e encontrar gente pra conversar e trocar uma ideia... essa é a única finalidade.”

O artista afirma que ficou surpreso quando soube da parceria entre o Sesc e o movimento e comenta sua reação: “Poxa, vai ter isso mesmo?! Eu não acredito, cara!”. Ele conclui: “e hoje, o resultado disso é que nós estamos tendo o maior Sebo no Chão de, sei lá, todos os tempos! Nunca vi tanta gente reunida aqui nessa praça! E serve pra isso: esse apoio, se não viesse, continuaria acontecendo, mas agora o Sebo no Chão se mostra mais forte do que antes!”.

A noite seguiu com a apresentação do músico, cantor e compositor Sfanio Mesquisa, que fez uma dobradinha com Tammys. Logo depois era a vez da banda Trincheiras e nem sob a ameaça de uma segunda-feira a praça esvaziou. Por volta das 22 horas o grupo inciou sua apresentação. A noite reservaria ainda ao público presentes as apresentações das bandas Telúricos e Sulfúrica Bili, que realizava o pré-lançamento do CD Grande Bola de Fogo.