28 de out de 2014

Sampler B e Tiago Máci botaram plateia para dançar em pé

TEXTO: ZEMA RIBEIRO
FOTOS: DANIEL SENA




Sampler B e Tiago Máci fizeram shows memoráveis, ontem (27), no Teatro da Cidade de São Luís (antigo Cine Roxy), integrando a programação da 9ªAldeia Sesc Guajajara de Artes.

Os primeiros, capitaneados por Beto Ehongue, homem à frente de outras bandas e agitos, botaram a plateia pra dançar – a começar por um cazumbá, que surgiu no corredor lateral, saudando aos presentes com seu balançar.

Sua sonzeira une bases eletrônicas pilotadas por Ehongue, que brinca com efeitos de ecos no microfone, a contrabaixo, pífano e uma cozinha percussiva digna de qualquer batalhão pesado.

Entre os samplers não faltaram Chico da Ladeira, Mestre Felipe, Boi da Fé em Deus e outros nomes da cultura popular do Maranhão, cada vez mais universais dentro do caldeirão sonoro proposto pelo grupo.

Tiago Máci mostrou por que é considerado um dos melhores compositores da nova geração. Sua música, que ele prefere não rotular, é uma mistura de tudo o que o também artista plástico ouviu. De Cesar Teixeira, citado em Mete o amor, forte, música que batiza o show, a rock’n roll e a música cafona, o dito brega.

A plateia não se conteve e acompanhou a maior parte do show de pé, dançando, e acompanhando o cantor em músicas já tidas como clássicos, caso de Samba do fuleiro.

Tiago Máci contou com a participação especial de Marcos Magah, que com ele dividiu os vocais em Eu chamo de coragem, mas pode dar o nome que quiser, parceria de ambos.

“Eu queria chamar ao palco um amigo que, se não fosse por ele, nada do que aconteceu em 2013 e este ano teria acontecido”, disse Máci ao convidar o parceiro a cantar com ele.


A programação completa da 9ª. Aldeia Sesc Guajajara de Artes é inteiramente gratuita e aberta ao público. Segue até 30 de outubro (quinta-feira) e pode ser acessada no site do Sesc/MA ou na aba Programação 2014 deste blogue.